5 curiosidades sobre a uva Tempranillo

5 curiosidades sobre a uva Tempranillo

Diferentes estilos de vinho elaborados com tempranillo (foto/Paula Theotonio)

Difícil encontrar uma pessoa que não aprecie um bom vinho varietal de Tempranillo. De maneira geral, possui boa estrutura, uma acidez gostosa que o torna perfeito para harmonizações diversas, além de adstringência sob controle — o que facilita a apreciação por aqueles que não gostam de taninos marcantes. Quando em blends ou assemblages, empresta corpo e capacidade de envelhecimento às bebidas. Ou seja, uma uva para amar!

A seguir, seguem algumas curiosidades sobre a Tempranillo.

1. É a uva emblemática da Espanha

Há muitas versões para a origem da Tempranillo. Pesquisas científicas apontam que a uva foi cultivada no sul da espanha por fenícios há pelo menos 3000 anos. Mas foi somente no século XV, quando a península ibérica viu o domínio mouro se esvair, que teve sua produção retomada. Já há quem diga que é originária do Norte da Espanha, resultado do cruzamento de duas variedades: Albillo Mayor (branca) e Benedito.

Fatos históricos à parte, hoje corresponde a cerca de 20% de toda a produção vitivinífera do país, sendo plantada em diversas regiões. O destaque vai para a Rioja (Rioja Alta e Rioja Alavesa) e Ribeira del Duero, onde são produzidos os vinhos mais conhecidos desta variedade. Mas há bons tempranillos pelo mundo, principalmente Brasil, Austrália e Argentina.

2. Possui nomes diversos

Tempranillo vem de “temprano”, que em espanhol significa “cedo”. Uma clara referência à seu amadurecimento precoce no campo. Mas não é este o único nome que a uva possui. Também é conhecida como Ull de Liebre na Catalunha; Chincillana na Estremadura; Tinto Fino ou Tinto del Pais em Ribeiro del Duero; Tinto de Toro, em Toro e Cencibel, em La Mancha. Em Portugal é denominada Aragonês, no Alentejo; e Tinta Roriz, no Douro e no Dão.

3. É muito suscetível ao Terroir

Quando plantada em regiões de clima frio ou ameno, produzirá vinhos mais elegantes, ácidos e frescos. Já em áreas com clima quentes resultará em vinhos mais alcoolicos, tânicos e de cor intensa. Portanto fique atento!

4. Harmonização vai depender do estilo do vinho

Se você comprou um Tempranillo jovem de dia a dia, como o Don Luciano Tempranillo D.O. La Mancha (R$ 27 a R$ 36), certamente terá em mãos um vinho bastante frutado, sedoso e com boa acidez. Com essas características, o vinho é um curinga: vai da pizza de calabresa ao burger com salada, massas com molhos leves, embutidos e até peixes mais gordurosos.

Caso sua escolha tenha sido por um Rioja Crianza, como é o caso do Izadi Crianza 2015 (R$ 130 a R$ 160), com estágio em carvalho e envelhecimento em garrafa, certamente irá se deparar com maior complexidade aromática, com notas tostadas, de especiarias e alcaçuz. Aí opte, sem medo, por carnes vermelhas mais gordas, comidas com molhos mais estruturados e até apimentados; carne de porco e até de fumeiro, devido ao processo de defumação, caem muito bem!

5. Dá excelentes rosés

Achou um rótulo de tempranillo rosé no mercado? Aproveite o calor e vá sem medo! Esses vinhos costumam ser bem leves, florais, com acidez refrescante e aromas de frutas vermelhas frescas. Harmonizado com atum, então, fica uma maravilha!

(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *